Toxoplasmose na gestação

Trata-se de infecção causada pelo protozoário Toxoplasma gondii. A contaminação geralmente ocorre após a ingestão de carne mal cozida e/ou contato com solo ou alimentos contaminados com fezes de gatos.

Manifestações clínicas na gestante:

A toxoplasmose apresenta espectro clínico amplo, variando de infecções assintomáticas, formas ganglionares (acometimento de linfonodos), coriorretinite (inflamação da retina) até formas graves como encefalite (esta última, mais descrita em pacientes com transtornos da imunidade).  A primeira infecção geralmente ocorre na infância e adolescência, sendo que no Brasil estima-se que cerca de 50% das mulheres já tiveram contato com o parasita (portanto já desenvolveu imunidade contra o mesmo e apresenta baixo risco de infecção fetal). Na gestante, a infecção geralmente passa despercebida, sendo detectada por exames de triagem durante a avaliação pré-natal.  A transmissão fetal é maior quando maior for a idade gestacional, no entanto infecções precoces são as mais graves.

No recém-nascido: A maioria dos recém-nascidos (RN) infectados não apresenta sinais clínicos ao nascimento, necessitando de acompanhamento clínico e laboratorial para descartar o caso ou iniciar tratamento.

Crianças não tratadas adequadamente podem apresentar problemas tardios, como coriorretinite.

As crianças sintomáticas podem apresentar febre, icterícia (pele e mucosas amareladas), manchas avermelhadas em todo o corpo, aumento do fígado e do baço, crânio diminuto, convulsões, queda de plaquetas e calcificações cerebrais.

Diagnóstico na gestante:

Como a maior parte das infecções iniciais é assintomática, é recomendado acompanhamento sorológico para as gestantes consideradas susceptíveis (ou seja, aquelas com IgG negativo para toxoplasmose). Considera-se infectada a gestante que era sabidamente susceptível e apresentou durante a gestação soroconversão para IgG (IgG que antes era negativa torna-se positiva), acompanhada de IgM. Em alguns casos, o IgM pode significar anticorpos residuais de infecção que ocorreu antes da gestação atual, sendo nestes casos indicado o estudo da avidez da IgG, pois em  infecções passadas a ligação antígeno-anticorpo é maior (alta avidez).

 Diagnóstico no recém-nascido:

O quadro clínico do RN pode sugerir a toxoplasmose, embora os sintomas sejam comuns a outras infecções em gestantes. Avaliação oftalmológica, auditiva e neurológica, além de tomografia computadoriza do encéfalo e análise do líquor podem auxiliar no diagnóstico.

A detecção de IgM e IgA no soro do neonato,  bem como a identificação de material genético do T. gondii em sangue ou outras amostras por PCR (Reação da Cadeia de Polimerase) são considerados indícios de infecção.

Prevenção e tratamento

Todas as gestantes, principalmente as consideradas mais susceptíveis (aquelas que não apresentam sinais de infecção prévia nos exames) devem evitar ingestão de carnes mal passadas, contato com gatos e atividades ligadas ao solo, como jardinagem, entre outras medidas.256708-pregnant-woman

As mães consideradas infectadas devem receber tratamento com antimicrobianos, que pode reduzir o risco de transmissão e danos ao feto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>