Dengue

dengue2

Estamos no meio da epidemia e tenho notado muita desinformação sobre a dengue. As unidades de saúde estão abarrotadas de pessoas com febre, muitas com dengue, por isso organizei algumas informações sobre dengue que julgo importantes.
Fatos sobre dengue que é importante saber:
1) Febre associada a pelo menos dois dos seguintes sintomas pode ser dengue: dor de cabeça, dor no fundo dos olhos, manchas no corpo, dores musculares, dores articulares. Ocasionalmente podem surgir náuseas, vômitos e diarreia.
2) A febre não costuma durar mais que 4 ou 5 dias. Se persistir por mais tempo, outras doenças devem ser investigadas.
3) Não pense que qualquer febre é dengue. Procure assistência médica para avaliar outras causas de febre. Pneumonias, infeções urinárias, amigdalites etc não deixam de existir durante a epidemia.
4) O cansaço causado pela dengue pode persistir por até 30 dias. Portanto, o retorno às atividades físicas deve ser lento e gradual.
5) Em caso de dengue, hidrate muito! No mínimo 60 ml de líquido por kilo de peso por dia. Se você pesa 50 kg, então serão 3 litros de líquido por dia. A boa hidratação é verificada pelo bom volume de urina. Quanto maior, melhor. Um terço do líquido deve ser em forma de soro, isotônicos ou água de côco.
6) A fome diminui bastante e só recupera depois de alguns dias. Mas o mais importante nos primeiros dias é a hidratação.
7) As maiores complicações acontecem nos primeiros dias após o término da febre. Hidrate mesmo quando a febre cessar.
8) Na dengue hemorrágica, a desidratação preocupa mais do que sangramentos leves.
9) Não consegue hidratar pela boca? Então deve receber hidratação venosa em unidade de saúde.
10) As unidades de pronto atendimento, hospitais privados, hospitais públicos e postos de saúde costumam ficar lotados em época de epidemia. Prepare-se para esperar se optar por ir a algumas dessas unidades. Médicos em clínicas e consultórios conseguem atender e realizar exames rápidos e podem ser boas opções.
11) Os sintomas podem ser muito intensos mesmo nos casos sem complicações. Não espere manter sua rotina por alguns dias.
12) As dengues são muitas. Cada pessoa percebe os sintomas em intensidade diferente. A maioria dos infectados não desenvolve nenhum sintoma.
13) Os testes para dengue podem ser negativos nos primeiros dias de sintomas. O hemograma comum é o principal exame no início do quadro. O hemograma avalia a contagem de células no sangue e na dengue é esperado queda de glóbulos brancos (leucócitos) e queda de plaquetas. Mas o hemograma pode ser normal e mesmo assim ser dengue. Vale a pena encontrar exames antigos e levar ao médico para comparação.
14) Excesso de paracetamol pode causar reação tão grave quando a própria dengue (hepatite medicamentosa). Não utilize mais do que o prescrito pelo seu médico.
15) O exame IgM (à partir do 6 dia) ou NS1 (primeiros 5 dias de febre) são exames rápidos que, quando positivos, confirmam o diagnóstico. São de cobertura obrigatória pelos planos de saúde.
16) A prova do laço, manobra que mantém o aparelho de pressão insuflado no braço por 3 a 5 minutos, é considerada positiva quando surgem pontinhos avermelhados abundantes na pele do braço comprimido. Significa maior tendência hemorrágica e aumenta a probabilidade de ser dengue em contexto de epidemia, mas pode ocorrer em outras doenças. E, quando negativa, não permite excluir dengue.
17) Quando temos dengue, estamos imunes àquele vírus. Mas há 4 tipos de vírus, portanto podemos ter dengue até 4 vezes. Cada episódio a mais de dengue aumenta o risco de dengue hemorrágica.
18) Após a picada, são necessários de 3 a 15 dias para os primeiros sintomas aparecerem.
19) São sinais de alarme e, caso surjam, o paciente deve ser imediatamente reavaliado pelo médico: dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes, pressão baixa, desmaio, sangramentos, sonolência, irritabilidade, diminuição do volume de urina, diminuição repentina da temperatura corpórea ou hipotermia e falta de ar.
20) A nova vacina contra a dengue garante aproximadamente 66% de proteção geral, proteção relativamente baixa porque não imuniza bem contra o sorotipo 2, mas reduz em mais de 90% as formas graves da doença. São três doses com intervalo de 6 meses entre elas. Não estará disponível no SUS, por enquanto, por causa do custo. Há outras vacinas surgindo que poderão ter boa eficácia e bom preço.