Gripes e Resfriados

gripe

Diferenciar gripes de resfriados comuns é fundamental

Nos meses mais frios, os vírus causadores de gripes e resfriados circulam com maior facilidade. Como são muito contagiosos, é necessário contato prévio com alguém doente para que estas infecções respiratórias se instalem. Estes vírus possuem a capacidade de mudar constantemente suas características, o que possibilita que um mesmo indivíduo tenha vários episódios de gripes e resfriados durante a vida.

Os resfriados são causados por várias famílias de vírus. Em média, crianças menores podem apresentam de 5 a 7 episódios por ano e adultos de dois a três episódios por ano. Os rinovírus, que se classificam em mais de 100 subtipos, são os principais agentes causadores.

Influenza é outro nome usado para descrever as gripes. Este nome tem origem do italiano “influenza de freddo”, que significa influência do frio, em razão da maior incidência desta infecção no inverno. Os vírus causadores da gripe também levam este mesmo nome e são classificados em A, B e C. Os mais contagiosos são os influenza A, responsáveis pelas pandemias que assolaram a humanidade. A influenza A (H1N1), também conhecida como gripe suína, é na verdade uma nova combinação genética deste vírus, por isto se reveste de maiores preocupações.

Os resfriados são caracterizados por quadros mais brandos, geralmente sem febre ou febre baixa, com predomínio de coriza e espirros. Já a gripe pode causar febre alta, desânimo, dor de cabeça, dores no corpo, além de tosse e coriza. Complicações como sinusites, otites e pneumonias podem ocorrer principalmente nos quadros de gripe.

O tratamento dos quadros leves é sintomático, ou seja, tratam-se apenas os sintomas, já que estas infecções na grande maioria das vezes se curam sozinhas. Antitérmicos e analgésicos, repouso e ingerir bastante líquido são suficientes para amenizar os sintomas até a cura (que pode demorar até 7 a 10 dias). Em casos mais graves de gripe, são indicados antivirais.

Quando suspeitar de gripe grave?

O Ministério da Saúde define como suspeita de quadro gripal a ocorrência de febre iniciada há poucos dias, associada a dor de garganta ou tosse. Sintomas respiratórios altos como coriza e espirros nem sempre estão presentes.

Os casos mais graves são definidos genericamente quando há alguma dificuldade respiratória junto à gripe, denominados Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Pessoas gripadas com outros problemas de saúde e gestantes também são considerados como potencialmente graves. Para esses casos, existe um benefício muito grande com o uso do medicamento antiviral (ex. oseltamivir / Tamiflu), quando iniciado precocemente. O tratamento é capaz de reduzir a intensidade dos sintomas e a duração da doença.

Prevenção

A medida preventiva mais eficaz é a vacina para a gripe. Infelizmente a proteção que ela oferece não é completa e nem duradoura, mas é capaz de reduzir sensivelmente quadros graves. A vacina não oferece proteção contra resfriados comuns.

Várias medidas foram propostas para evitar estas infecções e muitas delas não têm efeito comprovado como o uso de antibióticos, chás e frutas cítricas. O uso de vitamina C e do zinco não ameniza os sintomas. O benefício da vitamina C na prevenção ainda não está claro, mas possivelmente há proteção para atletas de alto nível e pessoas submetidas às condições extremas.

Para prevenir gripes e resfriados, passe a lavar as mãos com água e sabonete com freqüência, mantenha a vacinação em dia, prefira ambientes ao ar livre e evite permanecer em locais com muitas pessoas. Usar agasalhos no frio, manter uma alimentação saudável e praticar atividade física também ajudam bastante na prevenção.